PanoraMix#51 | Matemática, computadores, smartphones, poesia e mulheres em TI

Matemática, computadores, smartphones, poesia e mulheres em TI. Iniciativas em transporte coletivo. Dinheiro, muito dinheiro em aplicativos. 2006 doze anos depois


Quebrando o monopólio dos coletivos

transportes | negócios

Duas iniciativas bacanas na área de transporte coletivo não urbano tentando trazer alguma modernidade para esse modal tão monopolizado por práticas, empresas e regulações que não fazem mais tanto sentido em 2018.

Busca Onibus é uma startup que oferece informações sobre preços, horários e trajetos por meio de um banco de dados com mais de 160 viações nacionais e internacionais na América do Sul além de direcionar a compra de passagens para os sites onde elas são vendidas. Leia maissobre como a empresa surgiu e os enormes empecilhos encontrados pelo seu criador num país onde o transporte rodoviário de pessoas é das coisas mais arcaicas que existem.

Buser, que começou a operar semana passada, é uma empresa de fretamento colaborativo de ônibus. Pessoas interessados em ir de uma cidade para outra numa mesma data se juntam em grupos e contratam através da plataforma um ônibus executivo para levá-las. A Buser não só viabiliza o encontro dessas pessoas com um mesmo destino como também garante que o ônibus e motoristas contratados cumpram com todas as regras e leis de transporte coletivo.

A comparação com a Uber é inevitável e os problemas enfrentados pela empresa também são muito parecidos. Das quatro primeiras viagens contratadas pela plataforma, duas foram proibidas de partir pela ANTT apesar de a própria agência ter dado a autorização previamente. Leia sobre isso na página da Buser no Facebook.

É mais um exemplo do desnorteamento que domina velhos empresários e governos frente às novas iniciativas que quebram monopólios arcaicos há muito estabelecidos.

Estratégia, criatividade e imaginação

trabalho

A gente fala muito aqui sobre como robôs vão tomar conta de muitas atividades nos próximos anos. No Reino Unido estima-se que quatro milhões de trabalhadores poderão ser substituídos por máquinas nos próximos dez anos. Em maior ou menor grau é um fenômeno que vai acontecer na maioria dos países.

A Harvard Business Review diz que “o CEO do Deutsche Bank previu que metade dos seus 97 mil funcionários poderia ser substituída por robôs. Uma pesquisa revelou que “39% dos empregos no setor jurídico poderão ser automatizados nos próximos 10 anos. Uma pesquisa independente concluiu que, no futuro, os contadores têm 95% de probabilidade de perder seus empregos para a automação”. O problema a ser resolvido é se será possível encontrar ocupações para essa massa de trabalhadores.

A matéria da HBR sugere que o futuro do trabalho humano é a imaginação, a criatividade e a estratégia, atividades que as máquinas, por enquanto, ainda não dominam totalmente.

Mulheres em TI

educação | trabalho

Para atualizar essa mão de obra que será substituída por máquinas serão necessárias inciativas como a da Soraya, estudante de Sistemas da Informação na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Ela ensina algoritmos e programação em escolas públicas no interior do estado utilizando uma abordagem pouco ortodoxa: ela usa poesia.

Conheça mais sobre a Soraya, sua iniciativa e resultados na matéria do Huffpost. Ótima maneira de você também entender do que se tratam esses famosos algoritmos.
—-
Soraya é quase uma exceção nos cursos de sistemas e tecnologia. Na década de 1970, cerca de 70% dos alunos do curso de Ciências da Computação, no IME, eram mulheres; hoje, 15%. A matéria do Jornal da USP tenta responder por que que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação.

A explicação, por mais paradoxal que pareça, passa pela popularização dos computadores, como ilustra a professora do IME Renata Wassermann:

Quando os jogos começaram a se popularizar, acabou ficando estigmatizado como ‘coisa de menino’. Já no início dos anos 1970, era tudo muito abstrato, ninguém tinha computador em casa, então computação tinha mais a ver com a matemática, e o curso de matemática tinha mais meninas do que o de computação. O curso de computação não era muito ligado à tecnologia porque a gente não tinha computadores pessoais. Isso mudou bastante e agora o curso se refere mais à tecnologia do que à matemática.


PanoraMix é minha curadoria semanal com artigos e análises sobre como  a transformação digital está impactando negócios e sociedade.

Cadastre-se para receber semanalmente por email. É grátis 🙂

Cadastre-se para receber a PanoraMix semanalmente


Matemática>PCs>Smartphones

negócios | tecnologia

Da matemática para os computadores e dos computadores para os smartphones, a roda da tecnologia não para. Em pouco menos de 10 anos desenvolvedores de aplicativos ganharam cerca de US$ 86 bilhões só com a Apple, que detém aproximadamente apenas 15% dos aparelhos globalmente. Os outros 85% são majoritariamente Android. Mas nas receitas provenientes desses aparelhos, a proporção se inverte. A Apple tem quase 80% de todo o dinheiro que roda nesse ecossistema.

Imagine só quantos empregos foram criados para gerar essa riqueza toda que simplesmente não existia antes de 2007. Mais uma prova de que a tecnologia vem criando mais empregos do que destruindo. E o melhor é que não vem criando empregos só na área tecnológica.

2006 doze anos depois

negócios | tecnologia

Para variar um pouco, ao invés de falar do futuro vamos lembrar um passado bem recente. Nenhuma das empresas e tecnologias abaixo existiam em 2006. Tampouco existiam os empregos e a riqueza que elas criaram.

Há muitas outras como Uber (2010), Xiaomi (2009) e Pinterest (2010) que tampouco existiam e hoje somadas valem perto de US$ 100 bilhões. Quantas delas você tem no seu bolso agora?


PanoraMix é minha curadoria semanal com artigos e análises sobre como  a transformação digital está impactando negócios e sociedade.

Cadastre-se para receber semanalmente por email. É grátis 🙂

Cadastre-se para receber a PanoraMix semanalmente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s