PanoraMix#35 | Casamentos mais fáceis, vida mais barata, adolescentes mais vulneráveis

PanoraMix é minha curadoria semanal com artigos e análises sobre como  a transformação digital está impactando negócios e sociedade.

Cadastre-se para receber semanalmente por email. É grátis 🙂

Cadastre-se para receber a PanoraMix semanalmente


Mais barato ter do que alugar? Depende.

sociedade

Entendo que o modelo de negócios da economia do compartilhamento e mais especificamente do Uber, seu exemplo maior, é um trabalho em andamento que, duvido, um dia será terminado. Tipo a Sagrada Família em Barcelona. Novas demandas e novas tecnologias vão gerar um ciclo virtuoso que, como nunca, vai permanentemente transformar a economia do dia a dia em tempo real, bem debaixo dos nossos olhos. E isso já está acontecendo.

Depois de alguns anos colhendo dados de usuários e corridas do Uber e cruzando com informações de mercado, é possível afirmar que para 25% dos americanos, ter um carro é mais caro do que usar serviços como Cabify, Uber e Lyft.

A Business Insider publicou um estudo profundo e histórico que leva em conta diversas variáveis, entre elas quanto vale o seu tempo, para chegar a esta conclusão. Tem até uma calculadora para você fazer sua própria projeção. Já adianto que quanto mais alto o valor do seu tempo, mais vale a pena não ter carro.

Mais urbanos e mais preguiçosos

sociedade

Outro estudo, esse feito pelo Instituto de Estudos em Transportes da UC Davis nos EUA, mostra que estamos utilizando esse tipo de serviços mais do que deveríamos.

Entre 40% e 61% das corridas nas áreas metropolitanas seriam feitas a pé, de bicicleta ou transporte público se não fosse a facilidade trazida pelos aplicativos de transporte individual. Isso mostra que esse tipo de serviço está tirando mais gente dos ônibus e metrô do que dos seus próprios carros ou dos taxis. Pelo menos nos EUA.

A vida ficando (lentamente) mais barata

sociedade

Não só montadoras de automóveis estão preocupadas com essa tendência que parece estar se consolidando. Não ter carro causa impacto em todo um sistema que existe em torno dos veículos e seus condutores. Tornar a posse de um carro menos onerosa é um dos caminhos, e as seguradoras de veículos já estão vendo que para manter seus negócios vão ter que participar também desse esforço.

Uma das inciativas recentes por aqui são aplicativos de seguradoras que monitoram em tempo real os hábitos de seus segurados enquanto dirigem. Utilizando o GPS e o acelerômetro existentes em qualquer smartphone, elas estão oferecendo descontos progressivos no seguro quanto mais suave for o motorista e quanto menos ele rodar. A Exame tem uma matéria sobre o assunto que promete mudar para melhor o mercado para o lado do consumidor.

MIT diz que 1/3 dos casamentos começam online

sociedade

Outro tipo de aplicativo que une as pontas da demanda com a oferta, como no caso do Uber, são os apps de paquera tipo Tinder. Eles também vêm mudando a sociedade de forma muito mais profunda do que se imagina.

Um estudo do MIT mostra que desde o lançamento do primeiro site de encontros, o match.com em 1995, esse tipo de meio para conectar pessoas cresceu de forma impressionante até ser responsável hoje por cerca de 33% dos casamentos heterossexuais e quase 70% das uniões estáveis do mesmo sexo nos EUA. Veja no gráfico abaixo que indicações de amigos, trabalho e escola estão todas perdendo relevância para os serviços de encontros online. Uma exceção são os encontros em bares e restaurantes que também têm crescido, imagino que tendo redes sociais e apps de mensagens como combustível.

Uma coisa bacana dessa tendência é que ela tem criado mais casais inter-raciais e que casamentos nascidos online são mais duradouros do que a média. Leia mais sobre a pesquisa, seus métodos e resultados na revista do MIT.

Jovens, smartphones e bullying

sociedade

Uma matéria da revista Time levanta uma questão atual e relevante no mundo todo: a possível correlação entre o uso de smartphones (redes sociais, mensagens de texto, etc. ) e a saúde mental dos adolescentes. Embora não exista comprovação científica, estudos mostram que:

  • entre 2010 e 2016 a quantidade de adolescentes que apresentaram episódios sérios de depressão aumentou em 60%.
  • aqueles que passam mais de três horas por dia ao celular têm 34% mais de propensão a ter atitudes ligadas ao suicídio do que jovens que passam menos de duas horas por dia no aparelho.
  • uma das razões parece ser a incapacidade deles de separar a vida real do glamour das redes sociais, o que acaba gerando um aumento na ansiedade.
  • filtros sociais normais no convívio real parecem ser extremamente reduzidos online, aumentando o bullying via texto e em redes sociais. A falta de desenvolvimento cerebral completo dos jovens pode levar um menor controle dos impulsos.
  • pesquisas mostram que acesso a redes sociais têm relação com o aumento de neuroquímicos ligados à sensação de bem estar, como a dopamina. Consequentemente, comportamentos impulsivos, distração e irritabilidade podem ser relacionados à falta de acesso ao smartphone.

Na matéria da Time há o exemplo de uma mãe, formada em saúde pública, que não percebeu a grave depressão que sofria sua filha, posteriormente diagnosticada como tendo relação com seu uso de redes sociais.

Apesar de estarmos cada vez mais conectados com o mundo, é cada vez mais importante nos conectarmos offline com quem nos cerca. A ciência também ainda não comprovou isso, mas fica óbvia essa necessidade.

Impressions

música

Publiquei esse video na minha página do Facebook e posso garantir que você não vai escutar nada melhor essa semana. Wes Montgomery tocando um clássico de John Coltrane, Impressions.

Via Jazz Improvisers

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s