PanoraMix#26 | Tudo ao mesmo tempo, agora

PanoraMix é minha curadoria semanal com artigos e análises sobre como  a transformação digital está impactando negócios e sociedade.

Cadastre-se para receber semanalmente por email. É grátis 🙂

Cadastre-se para receber a PanoraMix semanalmente


O bom e o ótimo. Já.

tecnologia | sociedade

Duas notas sobre cinema e transportes publicadas no Meio semana passada, mostram como a nossa sociedade está se acostumando à perspectiva de a tecnologia resolver todos os nossos problemas e de forma imediata.

Estão querendo nos empurrar uma visão de tudo ou nada, de soluções globais, de necessidades fundamentais que nunca existiu em outros tempos quando a inovação não fazia parte do nosso dia a dia. Era louvada sempre que trazia para a sociedade algo acessível que fazia a vida mais fácil, barata e melhor, mesmo se não resolvesse todos os nossos problemas. Veja só as duas notas do Meio:

“A Netflix, segundo um cinéfilo. Crítico decano da Folha, Inácio Araujo escreve sobre como a plataforma de streaming não contempla os amantes (de verdade) da sétima arte: “A Netflix permanecerá como um incômodo na vida de todo cinéfilo enquanto for praticamente compulsória a assinatura de um serviço cujos benefícios, como se vê, são discutíveis. Digamos que eu seja fã de filmes japoneses. O portfólio da Netflix é mínimo. O mesmo se pode dizer do cinema europeu, do russo, dos mudos do mundo inteiro… Tudo isso de que as antigas locadoras conseguiam nos prover desapareceu”.

Não basta revolucionar o mercado de TV, cinema e reduzir a pirataria, o crítico deseja que a Netflix resolva o problema dele, que se sente excluído desse momento. A Netflix é um incômodo compulsório com benefícios discutíveis. Segundo o crítico, a Netflix teria a obrigação de atender a tudo e a todos, globalmente. Esquece que a empresa nasceu como uma locadora, e ao contrário das que ele conhecia, atualizou-se. No final ainda bota a “solução” no colo do governo. Uma visão no mínimo rancorosa.

Visão menos amarga, mas igualmente exigente, apareceu no Guardian sobre um tema completamente diferente:

“Quando os carros elétricos dominarem as cidades estaremos livres da poluição, certo? Errado. Segundo o Guardian, os carros elétricos não são a solução para a poluição urbana. Há três motivos: o primeiro diz respeito a caminhões e ônibus a diesel, que possivelmente continuarão circulando; o segundo refere-se aos próprios carros elétricos, que liberam partículas poluentes por meio de freios e pneus. E, ao menos por enquanto, para gerar eletricidade ainda se usa combustíveis fósseis.

O articulista do Guardian é aquele tipo tudo ou nada, deseja uma cidade sem poluição num estalar de dedos, esquece que fontes renováveis de energia estão crescendo e que o ótimo é inimigo do bom. Ele parece desejar que todas as soluções para um problema hiper complexo surjam ao mesmo tempo.

A tecnologia não vai resolver todos os nossos problemas, dificuldades ou desejos e, pior, vai criar outros. Mas é assim que o mundo desde sempre evolui, apesar das críticas e exigências de uma perfeição hoje exigida, mas nunca antes vista na sociedade.


Netflix dos esportes

mídia | negócios

Se o crítico de cinema acima fosse um comentarista esportivo amante de bocha, provavelmente teria a mesma opinião sobre a Sportflix, a Netflix dos esportes.

A iniciativa que deve começar a funcionar no próximo dia 30/8, trará campeonatos de futebol, basquete, hóquei, golfe, tênis e futebol americano via streaming pelo preço de uma assinatura mensal de US$ 19,99. A proposta é funcionar como uma retransmissora, alugando os direitos de transmissão de diversas emissoras de TV, e concentrando o acesso em uma única plataforma web e app. Tem um leve cheiro de hoax, mas acho que vale aguardar os próximos capítulos. Se acontecer, vai ser revolucionário, mas já tem gente gritando.

Há algum tempo venho falando de que a disseminação de serviços exclusivos de streaming como os do Esporte Interativo, GloboPlay e HBOGo não é a melhor solução para o consumidor. Por isso acredito que em breve veremos agregadores desses diversos serviços oferecidos em uma única interface e cobrados por uma única empresa. É aquele tipo de situação na qual a nova tecnologia enquanto oferece uma solução cria um novo problema ou, como tem acontecido todos os dias, cria uma nova oportunidade.


Quer levar esse conteúdo para ser discutido na sua empresa, escola ou grupo?
Entre em contato comigo:

panoramix@panora.com.br


Ikea solar

energia | negócios

Oportunidade foi o que a Ikea viu com o barateamento das soluções caseiras para geração de energia solar, aquela que não queima fóssil que o articulista do Guardian desconhece.

Perfeitamente encaixado dentro do perfil de seus móveis, objetos e eletrodomésticos, a gigante sueca em parceria com a solarcentury agora oferece sistemas de geração e armazenamento de energia solar para seus clientes. Oferecido apenas no Reino Unido, a solução pode reduzir a conta de luz em até 70% e ainda carregar o veículo elétrico do proprietário.

Nessa iniciativa a Ikea vai rivalizar com a Tesla e seu Powerpack, em mais um exemplo de como as fronteiras de competição entre empresas está desaparecendo.


Parceria é tudo

negócios | transportes

Competição entre empresas exige cada vez mais agilidade e foco em novas tecnologias que muitas vezes grandes companhias não têm. Por isso, setores historicamente poderosos e definidores de mercado, como as montadoras de veículos, estão buscando parcerias com empresas jovens, focadas em soluções específicas, para se desenvolverem tão rapidamente quanto seus novos e antigos competidores.

A Quartz fez um levantamento mostrando as alianças que estão sendo construídas entre montadoras, empresas de aluguel e compartilhamento de veículos, hardware e software para acelerarem a viabilização de veículos autônomos. São 33 empresas que juntas estão criando um novo ecossistema de transporte. Vale ver o gráfico interativo abaixo e ler a matéria aqui.


Blockchain, bitcoin and beyond

tecnologia | economia

Bitcoin e Blockchain deveriam estar mais presentes aqui no Panora. Falo pouco delas porque é um tema complexo, que precisa de algum conhecimento técnico mais profundo para ser entendido e explicado corretamente. Por isso estou sempre à procura de artigos sobre o assunto, e esse da Época me chamou a atenção pela forma direta e simples que mostra como essa tecnologia pode mudar muita coisa em muitas indústrias.
Desde a certificação de obras de arte e diamantes até o controle de cadeias produtivas, o Blockchain tem aparecido em diversas iniciativas além do mercado financeiro.

Vale ler a matéria aqui.


Singularity University

educação

David Roberts é professor na Singular University, escola criada em 2009 com apoio da Nasa e do Google com o objetivo de encontrar soluções para 12 grandes desafios globais que passam pela fome, energia, água e educação. Os cursos lá não têm certificação governamental nem cumprem com suas orientações acadêmicas e mesmo assim se tornou uma das mais respeitadas escolas superiores – se é que isso ainda é importante – do mundo.

Nessa entrevista ao El País ele compara o que está acontecendo com a educação formal nos EUA ao que aconteceu com a indústria automobilística nos anos 80 e prevê que a maioria das universidades do mundo vai desaparecer.

Educação é sempre um tema relevante e rico em discussões, vale a pena ler a entrevista aqui.


US$ 50mi do Google para o novo trabalho

educação

Sabendo que vai precisar de uma mão de obra que não está sendo devidamente formada nas universidades, o Google anunciou que vai destinar US$ 50 milhões para preparar profissionais empregados e desempregados para as mudanças nas formas de trabalho que estão acontecendo.

O dinheiro vai ser destinado a organizações alinhadas com os objetivos do programa, mas também para pesquisar, antecipar a entender as mudanças globais e o que a força de trabalho precisa para melhor contribuir nessas mudanças.


Zaha Hadid para menores

educação

Construir a vontade e a capacidade para pensar de forma independente são das habilidades principais que a nova educação deve propor aos jovens para ter sucesso no novo trabalho.

Tema de uma das primeiras edições da PanoraMix, Zaha Hadid foi a inspiração para um livro infantil sobre o seu trabalho como arquiteta. The World Is Not a Rectangle de Jeanette Winter quer mostrar os trabalhos de Hadid como expressão de liberdade e criatividade ao olhar o mundo e como entende-lo e traduzi-lo em edifícios únicos.

Bacana ver alguém que você admira e homenageia como grande profissional sendo também exemplo para crianças que ainda nem conhecem a profissão.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s