PanoraMix #09

Essa semana na PanoraMix:

Netflix é o novo Uber,
Bot do Einstein,
Mídia nova agora é vintage e vice versa,
Assinaturas para cinema e jornal de papel,
Três análises sobre o hoax da semana,
E muito mais…

Depois me conta o que você achou.

Abs,
Paco Torras

Ainda não é assinante? Pfffffff. Assine aqui e receba as próximas edições da PanoraMix no seu email um dia antes de ser publicada no site.

Leia as edições anteriores da Panoramix clicando aqui.


BOT DO EINSTEIN

tecnologia | bots | marketing | educação

Vocês vão reparar que alguns assuntos irão aparecer com mais frequência por aqui porque são aqueles que estão em ebulição, com muitos investimentos e, como você já sabe, com impactos cada vez mais práticos e rápidos.

Um desses assuntos são os chat bots, que já tratamos aqui e aqui, e que se tornaram ferramenta multiuso para marketing, distribuição de conteúdo, atendimento, fidelização,vendas…Tão versátil que até Einstein pode teclar conosco.

Para promover sua nova série Genius, sobre a vida de Einstein, o canal NatGeo criou um bot com inteligência artificial que conversa conosco como se o próprio físico alemão fosse. A ferramenta oferece informações básicas sobre a vida e as conquistas dele com fotos e gifs para ilustrar.

Não espere muito, mas você pode conversar com o Einstein em inglês aqui.

Para mim esse não é só mais um exemplo de uso dos bots. Mesmo sendo uma ação de marketing é um exemplo de como eles podem ajudar na educação e disseminação de conhecimento. Imagina se cada ganhador do prêmio Nobel tivesse um bot seu, sendo constantemente atualizado e que qualquer estudante pudesse conversar e tirar dúvidas com aquele cara que vai cair na prova? Não seria fantástico? Fica a dica para empreendedores em edutech 🙂


TODOS CONTRA O CONSUMIDOR

vod | netflix

A sala de cinema é o elo indispensável para a promoção e exploração de filmes.

O VoD [vídeo on demand] é incrível, mas deve acontecer sempre depois do cinema.

Essas duas frases lapidares exemplificam perfeitamente a mentalidade que domina os órgãos públicos de “promoção” do audiovisual, e não só no Brasil. Elas foram ditas pelo diretor-geral do Centre National du Cinéma et de L’Image Animée, entidade equivalente à ANCINE brasileira. Elas foram proferidas em encontro no Rio onde também havia um representante da agência irmã da Alemanha.

O que gerou tamanha ira – ou inveja, você decide –  foi porque a Netflix decidiu lançar duas produções próprias de filmes direto no seu serviço de streaming, sem passar pelas salas de cinema francesas. Detalhe: as produções foram selecionadas para serem apresentadas no Festival de Cinema de Cannes desse ano.

A Netflix produz um filme, como qualquer outro estúdio de cinema faz, escolhe o distribuidor, como qualquer outro estúdio de cinema faz, mas o estado acha que esse distribuidor não serve. Vai obrigá-la a colocar no cinema? Em quantas telas, por quanto tempo? E se tiver prejuízo, quem paga? [Essa última é fácil de responder].

Claro que a solução proposta é a regulação, um eufemismo para taxação, de serviços de vídeo on demand como o Netflix. Será que a Net com o Now vai gostar?

O fato é que esse pessoal não está acostumado a se importar com o que o novo consumidor quer. Leia a matéria na Folha.

As relações de consumo estão de cabeça para baixo.
Leia tudo sobre o Novo Consumo aqui.

NOVOS HÁBITOS

sociedade | uber

Outra matéria da Folha, também sobre os novos hábitos de consumo e seus impactos na sociedade, mostra que serviços como os da Uber, associados à crise e a uma maior conscientização quanto ao uso do transporte público e alternativo, fez cair a procura por estacionamentos e serviços de manobrista em São Paulo. O uso do carro particular está sendo substituído por outros tipos de transporte.

Enquanto isso…

Com uma visão diferente da ANCINE e de outros juízes pelo Brasil, a juíza Tamara Gil Kemp da Justiça Trabalhista no Gama, cidade satélite de Brasília, proferiu uma sentença na qual rejeita a alegação de que existe relação de emprego entre um motorista da Uber e a empresa. Para ela o motorista é um trabalhador autônomo que tem um parceiro com quem divide os ganhos. Leia a decisão na íntegra na matéria do Jota.

Exemplos claros de que hábitos do dia a dia estão mudando, que não há consenso quanto à adequação de novos serviços a uma legislação caduca e que temos um longo caminho a percorrer nesse sentido.


ONLINE E OFFLINE JUNTOS NA TELA E NO PAPEL

negócios | primepass | amazon | el país

Quem acompanha o Panora sabe que serviços de assinatura têm renascido no mundo digital e se tornado um tipo de modelo comercial adotado por diversos novos negócios digitais. A rainha dos serviços de assinatura é a Amazon, vamos falar  dela logo adiante, mas há iniciativas até para quem gosta de ira ao cinema [e que não demoniza quem é assinante de streaming como o francês da primeira nota].

A Primepass é uma startup brasileira criada em 2016 que oferece, através de uma assinatura mensal com preço fixo, um serviço que permite aos cinéfilos assistir até um filme por dia durante um mês por um valor até 80% menor do que gastariam comprando ingressos de cinema. Através de um aplicativo com geolocalização, o usuário escolhe o filme e reserva a entrada. Claro que há restrições por área e quantidade que são muito bem explicadas nessa matéria do Nexo.

Amazon+El País

Já a Amazon, que também produz filmes e os oferece em seu serviço de streaming, fez uma parceria com um dos principais jornais do mundo para entregar jornal impresso comprado pelo seu site.

Desde o último dia 23 de abril, os assinantes do Amazon Prime Now  que moram nas regiões metropolitanas de Madrid e Barcelona podem comprar o jornal El País no site da varejista e recebê-lo em casa, em até uma hora, entregue grátis pela Amazon, pagando o mesmo preço da banca além da assinatura anual do Prime, claro. Leia a nota que o El País publicou sobre o novo serviço, em espanhol, aqui. Prevejo que bancas de jornais não vão gostar muito dessa novidade.

Essa é daquelas iniciativas que mais gosto, que unem on-line e off-line para criar algo maior do que apenas a soma dos dois. E quando isso acontece com um jornal de papel tão importante e tradicional como o El País, fica mais bonito ainda.


VELHOS NOVOS VEÍCULOS DE NOTÍCIAS

mídia | poynter

Fica bonito porque mostra que inovação na imprensa tradicional não precisa passar só por grandes investimentos em tecnologia ou por ações disruptivas. Há muito o que fazer para ajudar veículos tradicionais a desenvolverem-se no novo, para eles, ambiente digital.

Esse é o papel do Poynter’s Local News Innovation Project. Desenhado para estimular a transformação digital dos jornais americanos, o programa de três anos conta com a participação desde pequenos diários locais até os principais jornais das grandes cidades americanas.

A iniciativa visa valorizar a produção jornalística enquanto ao mesmo tempo a adapta, técnica e financeiramente, às novas plataformas digitais de distribuição e consumo. Muito importante principalmente para pequenos jornais locais, o projeto aceita 20 novos membros anualmente que são escolhidos através de um concorrido processo.


VINTAGE NO NOVO JORNALISMO ON-LINE

mídia | vox

O site de notícias Vox é um dos principais novos veículos jornalísticos digitais. Faz sucesso por explicar de forma direta, usando muito vídeo, os assuntos do momento em diversas áreas. Tem pouco mais de três anos embora seus fundadores estejam no jornalismo online há mais de uma década.

Recentemente a Vox mudou radicalmente o layout da sua homepage. Veja abaixo o antes e o depois.


Fica evidente que o site trocou um layout com pouco conteúdo e grandes imagens (esquerda) por outro mais tradicional, daqueles que veículos caretas usam e que lembra a diagramação dos jornais de papel.

Estranho, não é?

Pois entre as justificativas dadas pela Vox, esse “novo” layout mais denso, quase vintage, aumenta a percepção de confiabilidade do leitor com o veículo.

“A equipe definiu que precisávamos de uma nova homepage que transmita credibilidade, inteligência e que represente a profundidade e a amplitude da nossa cobertura” explica a empresa.

Sem entrar no mérito de se lay out pode trazer credibilidade nesse nível (não estamos falando de um blog, mas de uma empresa jornalística séria), o movimento mostra que nenhuma empresa, grande, pequena, nova ou centenária, pode se dar ao luxo de ficar parada. Agilidade para perceber mudanças e agir no sentido de atualizar suas formas e interfaces de contato com o consumidor é uma necessidade permanente, mesmo quando atualizar significa adotar conceitos considerados ultrapassados num passado recente, mas que hoje fazem total sentido.

Mostra também que o grande ativo da mídia e dos veículos tradicionais é credibilidade e que isso só se consegue com anos de bons serviços. Anos que a Vox ainda não tem.


BALEIA AZUL

hoax | mídia

E como o assunto é credibilidade da informação, e um dos principais assuntos da última semana foi a Baleia Azul, deixo vocês com três análises aqui, aqui e aqui sobre esse fenômeno da desinformação online que respingou forte na mídia tradicional.


FRANK, EU E UMA OBRA DE  ARTE À VENDA

arquitetura

Frank Lloyd Wright e eu, com alguns anos de diferença, nascemos no mesmo dia e nos formamos na mesma faculdade. E só.

Considerado um dos mais importantes arquitetos da história, projetou muitas residências, entre elas a famosa Casa da Cascata que virou ícone arquitetônico e ponto turístico. Ter a oportunidade de visitar essas obras não é muito difícil, já morar numa delas não é tão fácil.

Mas se você tiver US$1.4 milhão, seus problemas terminaram.

Perfeitamente preservada, a Olfelt House, terminada em 1959 em Minnesota, está à venda incluindo os móveis desenhados pelo arquiteto. Com três quartos e 270m² de área, ela é uma obra de arte que possui todas os detalhes criado pelo Frank que tanto estudei na faculdade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s