PanoraMix #05

PMix05_3

Você vai ler nessa edição:

Aviões elétricos | Médico raiz x médico Nutella | Personalização is the new black | The voice, kids | Operação carne fake | Uberizando tudo.

Depois me conta o que você achou e quais assuntos gostaria de ver abordados aqui.

Abs,
Paco Torras


THE VOICE, KIDS

AI | IoT | Tecnologia

Talvez você não tenha reparado pois ainda não chegou com força por aqui, mas existe uma guerra acontecendo pela sua voz. Briga de cachorro grande para ver quem vai entender e processar as conversas que teremos com nossas máquinas dentro de casa. Esqueça telas sensíveis ao toque como as dos tablets e smartphones, a voz poderá se tornar a principal interface de interação entre homens e máquinas.

Apple, Amazon e Google com a Siri, a Alexa e o Google Assistant são as três principais plataformas tentando te entender. Várias outras empresas como Microsof, Facebook e Samsung estão correndo atrás. Dá para ver que não é coisa para startups de garagem.

Algumas dessas plataformas já podem ser conectadas com outros dispositivos caseiros como TVs, aspiradores e máquinas de lavar que passam a atender a um comando de voz. Claro que estão também conectadas com lojas e serviços externos que permitem pedir uma pizza apenas dizendo:

– Alexa, peça uma pizza de calabresa grande e uma coca no Pizza Hut.

Pedir um Uber e fazer uma consulta médica no Google também são possíveis.

Colocar dentro da sua casa um dispositivo com uma interface tão simples é uma oportunidade muito grande que não pode deixar de ser explorada pelas grandes empresas de tecnologia. Poder fazer uma compra de supermercado sentado no sofá apenas falando a lista de produtos parece ser apenas uma questão de tempo desde que a máquina entenda o seu sotaque, esse será o desafio. 😊


OPERAÇÃO CARNE FAKE

Comida

Como já falamos antes, não vai ser a agricultura tradicional que vai resolver a questão de alimentar os bilhões de habitantes da Terra, vai ser a tecnologia. E a tecnologia também está dando os primeiros largos passos no sentido de criar carne sem a necessidade de animais.

O que parecia impossível é o que a Impossible Foods já está produzindo hoje na Califórnia, meia tonelada hambúrgueres sem carne por mês que ela promete tem o visual, cheiro, sabor e até o sangue que estamos acostumados a ver na carne natural.

Longe de ser comparada a um hambúrguer vegetariano, o produto da usou disciplinas como neurociência e química para identificar na carne natural cada componente que faz ela ser percebida como carne e buscou na natureza elementos que pudessem replicar sensações gustativas, visuais, olfativas e sonoras inerentes a um belo bife de hambúrguer.

Assista aqui um vídeo explicando como é feito esse hambúrguer que era impossível e agora parece ser indistinguível do original.

Utilizando um método diferente, a Memphis Meat está produzindo filés de frango e pato em laboratório a partir de células dos próprios animais colocadas para se reproduzirem em uma solução química nutritiva.

Ambas empresas usam o respeito ao meio ambiente e aos animais como importantes justificativas para investirem nessa área tão desafiadora. Mas de forma similar ao que vemos acontecer com serviços disruptivos como o Uber, que não encontram previsão na nossa legislação, também teremos que encontrar uma forma de lidar com essa nova alimentação que está surgindo longe de fazendas e açougues e que pode ser uma das soluções para um dos maiores problemas da humanidade..


SMART TATTOOS

Tattooables

Semana passada falamos da smart jacket que a Levi’s e o Google estão produzindo. Esquece, já é passado. Não precisaremos estar vestidos para termos uma interface que controle dispositivos, monitore funções do corpo e se comunique com outras pessoas e máquinas. Isso poderá ser feito através de tatuagens temporárias que em breve estarão no mercado.

Nada de tribais, navais ou florais, essas tattoos desenvolvidas pelo MIT, Microsoft e Rotex são metálicas, flexíveis e inicialmente parecem tem uso direto na área de saúde.

Veja aqui e aqui dois vídeos explicando como as tatuagens funcionam e alguns exemplos de aplicações.


PERSONALIZAÇÃO IS THE NEW BLACK

Netflix | Adidas | Conteúdo | Big Data

O sucesso das recomendações “individualizadas” da Netflix confirmou que personalização é a nova fronteira no relacionamento com consumidores on-line. Tratar seu cliente como único e oferecer produtos que tenham de verdade a ver com seu perfil é dos maiores desafios tanto de distribuidores de produtos digitais quanto de quem vende produtos físicos on-line, como a Adidas, de quem falamos semana passada.

Mas nem sempre ser único é melhor, a Netflix escolheu um caminho mais simples e direto. A empresa dividiu seus 93 milhões de usuários de 190 países em apenas 1.300 grupos com padrões de consumo similares – ou personas como gostam os neo-marqueteiros – independente de país ou idioma. Com isso um cliente na Polônia pode ter recomendações iguais a outro no Brasil porque consomem a mesma coisa. Faz sentido. O USA Today explica melhor essa estratégia.

Construir perfis ou personas que identifiquem pessoas ou grupos exige colher e cruzar enormes quantidade de dados e processá-los em tempo real para encantar seu cliente na hora em que ele visita seu site. Fazer o mesmo em uma loja física é bem mais complexo, mas, como o hamburguer, não é impossível.

Talvez tenha sido a Nike a primeira grande empresa a permitir que seus clientes criassem tênis únicos com cores, detalhes e personalização individuais de um modelo que ela já fabrica. O serviço Nike iD produz um tênis exclusivo com a mesma qualidade dos produzidos em série e o entrega na sua casa por um preço premium. Sua arquirrival Adidas está dando um passo além e passou a oferecer em caráter experimental numa loja em Berlim um serviço que escaneia o corpo do cliente e produz na hora, do zero, o tecido e o agasalho na estampa escolhida pelo cliente. Não é só um produto com o visual que o cliente escolheu, é um produto produzido exclusivamente para o cliente. Alfaiataria.

Assista o vídeo promocional aqui. O suéter custa US$ 215.

Quando lançou seu Model T em 1908, Henry Ford disse que o comprador poderia escolher qualquer cor para o carro, desde que fosse preta.  Pois é, nem ele nem os filmes de ficção científica imaginaram que a revolução das máquinas nos levaria para longe da massificação, pelo menos do vestuário, como parece estar acontecendo agora.


O NOVO WRIGHT

Transportes | Sustentabilidade | Energia 

Você pode ainda não ter visto nenhum, muito menos ouvido, mas veículos elétricos já são uma realidade. É questão de pouco tempo, menos ainda se o governo der uma ajudinha. Todas as grandes montadoras estão investindo neles e até fundos soberanos de países árabes, vendo que a era do óleo está terminando, estão investindo em energia limpa para garantir o futuro independente do petróleo.

Como veículos já são uma realidade, é natural que se busque aplicar a tecnologia em outros meios de transporte como aviões elétricos. É o que a Wright Electric está propondo.

Sempre com apresentando a proteção ao meio ambiente como objetivo, a empresa americana está construindo um avião de 150 lugares para voos de até 480km totalmente movido a energia elétrica. Ela entende que nos próximos vintes anos todos os voos nessa distância poderão ser feitos em aviões com motores a bateria, desbancando a hegemonia do 737 num mercado de US$ 26 bilhões.

Empreendimento ousado, de longo prazo, que depende de uma drástica evolução das baterias, mas que já tem um plano B: aviões híbridos querosene+eletricidade cuja tecnologia já existe e que traria uma redução importante no consumo de combustíveis fósseis. Não sei se será essa empresa a viabilizar, mas parece inevitável de acontecer.


UBERIZANDO TUDO

Negócios | Aplicativos

O modelo de negócio da Uber não é perfeito, mas desde o início vem influenciando e viabilizando iniciativas em várias áreas. Todos acham que podem adaptar o modelo a qualquer negócio. Esse fenômeno até ganhou um nome, Uberização, coisa que poucas empresas ou produtos conseguiram. Xerox e Gilette são só dois exemplos de marcas que viraram substantivos e até verbos.

A Uber da beleza foi criada pelo brasileiro fundador da Easy Taxi e quer fazer com manicures, massagistas, maquiadores e cabelereiros o mesmo que a Uber faz com carros e motoristas. O Singu é um app que agrega esses profissionais e permite que clientes os contratem diretamente pelo smartphone. Da mesma forma que a Uber, é a empresa que define o valor de cada serviço e fica com um percentual dele. Uma funcionalidade interessante é que o app calcula a melhor rota e meio de transporte para otimizar o tempo do profissional no caminho entre os clientes. Leia mais sobre o negócio aqui.

Já o Colmeia é um sistema que conecta alunos e professores para aulas particulares. Criado por estudantes da UnB em Brasília, o usuário seleciona a disciplina, verifica o currículo e as recomendações dos professores cadastrados e contrata as aulas. O app também define o preço da hora/aula e faz uma verificação acadêmica e pessoal de cada professor.

Mais perto e quem sabe até parceiro dos motoristas do aplicativo original, a Reboque.Me oferece um sistema para chamar ajuda quando seu carro precisa ser levado para a oficina. O aplicativo localiza  o guincho mais perto do usuário com problemas e disponibiliza em um mapa, na tela do smartphone, o trajeto e a localização exata do guincheiro até o cliente – tudo em tempo real.  Da mesma forma, é a empresa que define o preço, que neste caso tem por base o custo do diesel, e fica com um share do pagamento.

É fato que o modelo da Uber, apesar dos problemas que qualquer novo negócio enfrenta, faz sentido, mas não é a solução para tudo. Um repórter da Veja passou um mês como motorista do aplicativo e conta aqui sua experiência. Apesar do viés mais opinativo do que jornalístico, vale e leitura.


MÉDICO NUTELLA X MÉDICO RAIZ

Saúde

Semana retrasada falamos aqui sobre sistemas que estão respondendo perguntas sobre doenças e sintomas e tomando a decisão sobre se o paciente deve ou não procurar um médico. Quem procura esse serviço é o paciente Nutella. Paciente raiz usa mesmo é o Google para ter respostas sobre o que está sentindo, seja uma dor de cabeça ou no lado esquerdo do peito.

E, ao contrário do que você pode estar imaginando, esse comportamento cresce em países onde o sistema de saúde é considerado exemplar como Luxemburgo, Dinamarca e Alemanha onde 63% da população rotineiramente busca informações sobre saúde na internet. O gráfico do Statista mostra como essas consultas cresceram nos últimos anos enquanto a Forbes mostra que médicos com boas informações são melhores do que alguns sistemas. Por enquanto.


O MUNDO MOVE DINHEIRO

Fintech | Dinheiro

Faz pouco tempo que mandar dinheiro para terceiros deixou de ser complexo. Para terceiros em outros países, ainda não. Mas a tecnologia está aí para resolver esse problema e se ela fizer isso sem curva de aprendizagem e barato, melhor ainda.

Utilizando o Messenger do Facebook a inglesa  TransferWise criou um bot que viabiliza a transferência internacional de fundos entre usuários pela mesma interface que usamos para nos comunicar com nossos amigos. Claro que a funcionalidade também serve para pagamentos de compras em páginas da rede o que abre uma série de possibilidades para empresas e negócios. Um sistema internacional de transferência de fundos embutido numa ferramenta de chat do dia a dia é aquele tipo de tecnologia transparente que o usuário nem percebe que está usando.

O Android Pay, sistema de pagamentos do Google ainda não disponível no Brasil, está indo na mesma direção, e através da interface mais do que manjada do Gmail para Android oferece agora a possibilidade do usuário enviar dinheiro como quem envia um email. E o melhor, de graça. O débitos e créditos são feitos nos cartões associados às contas.

Onde há dinheiro há sempre espaço para novas iniciativas que cobrem nichos, áreas que não interessam aos grandes bancos ou que podem ser tão facilmente desenvolvidas utilizando sistemas existentes, que são oportunidades que não podem ser deixadas na mesa. Veremos cada vez mais serviços como esses que tornam a vida mais segura, simples e barata.


O PRODUTO MAIS BEM DESENHADO

Design

Um dos grandes desafios do design é criar e produzir produtos que ao mesmo tempo resolvam problemas, atendam desejos e sejam belos e úteis em grande escala, para muita gente. Não é fácil, por isso os que dão certo merecem ser lembrados.

O Nexo publicou uma lista com as respostas que cinco professores de design deram para a seguinte pergunta: qual o produto mais bem desenhado de todos os tempos, e por quê? Veja a matéria aqui.


Obrigado por assinar minha newsletter. Se você gostou do conteúdo que escolhi essa semana, encaminhe aos seus amigos para eles ficarem tão atualizados quanto você.

Ainda não é assinante? Pfffffff. Clica aqui e receba no seu email um dia antes de ser publicada no site.

Quais assuntos você gostaria de ver aqui? Mande um email para panoramix@panora.com.br com suas sugestões.

Leia as ediçoes anteriores da Panoramix clicando aqui.

Abraço,
Paco Torras

2 comentários sobre “PanoraMix #05

  1. Pingback: PanoraMix #10 | Paco Torras | PANORA

  2. Pingback: PanoraMix Especial | Moda e Comida | Paco Torras | PANORA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s